Editorial

Valores da tragédia




Prefeitos de nossa região reuniram-se, em Rio Casca, em 10/10, com os demais chefes de Executivos, na 5ª reunião técnica do Fórum Permanente de Prefeitos da Bacia do Rio Doce, os quais representam municípios afetados pela lama da Barragem de Fundão/Mariana (rompida em novembro de 2015).

A grande novidade do evento foi expressa, via Facebook, pelo prefeito riocasquense  Adriano Alvarenga/PDT:

“Tivemos um dia muito produtivo. A Fundação Renova ‘bateu o martelo’ na liberação de R$ 53,3 milhões para ressarcir os Municípios pelos gastos públicos extraordinários na recuperação necessária depois do acidente ambiental da mineradora Samarco.” Com isso, garantiu ele, “em 5/11, entra - nos cofres públicos da nossa cidade - a quantia de R$ 645.045,60. O dinheiro será de grande importância, devido ao descaso do nosso governador [Fernando Pimentel/PT], que já nós deve mais de R$ 4 milhões”.

O prefeito de Rio Doce, Silvério da Luz/PT, enviou para esta FOLHA a deliberação de 10/9 assinada por dirigentes da Câmara Técnica de Economia e Inovação do Comitê Interfederativo/CIF, prevendo o  ressarcimento mencionado por Adriano com estes valores para a nossa região:

- O mesmo valor destinado a Rio Casca será liberado para Raul Soares, São Pedro dos Ferros e Sem Peixe.

- Barra Longa, Rio Doce e Santa Cruz do Escalvado receberão, cada , R$ 2,5 milhões.

O prefeito de Ponte Nova, Wagner Mol/PSB, participou da reunião de 10/10 obtendo, dos prefeitos, a ratificação do parecer da Ramboll Brasil - Consultoria Ambiental, datado de 18/9,  reconhecendo que o município pontenovense foi atingido pela lama.

Conforme o documento divulgado pelo Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Meio Ambiente do Ministério  Público/MG, Ponte Nova deve ser incluída no Programa de Coleta e Tratamento de Esgoto e Destinação de Resíduos Sólidos, elaborado para mitigar os danos da lama.

Neste contexto, a Administração Municipal/PN pode receber a quantia R$ 23 milhões para investir na coleta de lixo e no projeto da Estação de Tratamento de Esgoto/ETE.

“Estamos confiantes e, nestes dias, aguardamos o deferimento por parte do Juizado da 12ª Vara da Justiça Federal, em Belo Horizonte, onde tramita ação sobre o assunto”, disse Wagner.

Expectativa à parte, lembramos que, em nota desta semana em nosso site, registramos relato da Direção da Fundação Renova de que se detectou trinca num dique de contenção de rejeitos retirados do lago da Hidrelétrica de Candonga.