REGIÃO

Queijos de Minas Gerais premiados no Salão Internacional, na França

18/06/2017 13:00




Onze produtores mineiros de queijo foram premiados no Salão Internacional do Queijo (Mondial du Fromage), na cidade de Tours, na França. Os competidores de Minas Gerais disputaram espaço com mais de 700 produtores de 20 países. Ao todo, os produtores mineiros receberam uma medalha de ouro, sete de prata e três de bronze.

A informação do sucesso dos principais queijos de Minas foi repassada a esta FOLHA pela pontenovense Débora de Carvalho Pereira/mestra queijeira da Guilde Internacional de Queijeiros e presidente, em Minas Gerais, da Associação SerTãoBras. Residente na França, ela é jornalista, mestre em Extensão Rural e PhD em Ciência da Informação e cumpriu, no biênio 2013/2014, em Paris/França, seu pós-doutorado em MediaLab of Sciences.

Mestra queijeira de renome internacional, Débora é filha da professora Heloísa Carvalho e do advogado Antônio Cezar Gonçalves Pereira. Em março, ela esteve no Sindicato dos Produtores Rurais/PN proferindo palestra para produtores de queijo da região do Vale do Piranga.

Naquele mês, ela atendeu convite da Federação da Agricultura de MG e ministrou palestras e cursos sobre queijos de qualidade percorrendo diversas regiões produtoras do Estado. Recentemente, ela intermediou a inscrição de grupo de produtores de queijo, que viajaram para a França, no início deste mês, para conhecer o processo de maturação de queijos.

Os produtores que viajaram para a França representaram as regiões mineiras de Serro, Araxá, Canastra, Campo das Vertentes, Cerrado, Serra do Salitre e Triângulo Mineiro.

Débora ainda se empenha para a promoção de mudanças na legislação vinculada à comercialização de queijo cru de Minas. “Para nós, o alimento é um bem público. A SerTãoBras defende a valorização da cadeia agroalimentar artesanal. E como o queijo de leite cru é um dos produtos mais marcantes da cultura brasileira e porque porque amamos queijos, desejamos mudar a realidade das normas legais que restringem o seu consumo”, ressaltou Débora em março, numa entrevista para esta FOLHA.

“Estamos felizes pela oportunidade de expor e concorrer a prêmios, mas a oportunidade de comercializar os queijos seria muito importante para os produtores. Devido à legislação brasileira, o queijo não poderá ser comercializado, mas esperamos que em 2019 o governo brasileiro tenha modificado as leis. Neste evento, os produtores são os convidados de honra e terão oportunidade de mostrar os queijos”, disse Débora, em recente informe na Imprensa de BH.







UID:7380237/24/08/2017 05:41 | 0